27 maio 2011

Entrelinhas

Ela lhe diz que sim, mas meneia a cabeça
A criança se diz inocente depois da brincadeira travessa
O texto parece concordar, mas era na verdade cinismo
O altruísmo parece bondade, mas continua egoísmo

Quem exalta demais as próprias qualidades nem precisa ter os defeitos subtraídos
A moral é puritana e recatada mas perdemos a conta de quantos são os maridos traídos
Você diz que imagem não é nada, pois o que conta é a Essência
E por isso vai às lojas e só compra roupas de excelência

Quem desdenha dos outros precisa de lupa para no espelho se enxergar
O trabalho glorifica, mas ninguém quer passar, lavar, servir, engraxar
Se é homem não pode haver choro
Aqui se faz, aqui se paga - em dobro!?

Pensamos uma coisa, dizemos outra, fazemos outra
Achar virtudes é como achar num chiqueiro uma ostra
Do berço ao túmulo nossas vidas hão de ser somente ninharias?
É preciso saber ler nas entrelinhas!

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Iniciei um blog novo, já que esse está inacessível.

    http://raviere.wordpress.com/

    ResponderExcluir